terça-feira, 20 de fevereiro de 2007

Parte do texto que compõe o prólogo de meu livro "Minha querida Joana", em fase de produção.


"(...)- Olha – disse o bispo Pierre puxando o amigo para mais perto de si pelo hábito, como se alguém ali estivesse a querer ouvir o que diria. – Sugiro que te confesses ao Senhor e benze-te a pedir-Lhe perdão ao término da leitura de cada parágrafo.
- É tão grave assim?
- Saberei quando ouvir o que tu tens a dizer sobre o assunto. Boa noite. E que Deus continue a guiar teu bom senso.
Quando o bispo Pierre saiu distribuindo benzas o abade Auguste finalmente voltou a sua solidão.
Fechou a porta, pôs os óculos de lentes grossas e começou a ler o misterioso livro que lhe trouxera o irmão Pierre.
Antes de terminar o primeiro parágrafo, porém, ele já havia se benzido três vezes".

Um comentário:

José Carlos disse...

Caro Amigo Archidy: Toda a felicidade do mundo, junto com o sucesso, na produção do teu livro "Minha Querida Joana".
Que o vosso talento continue brilhando e nos iluminado com vossas letras por tempos e tempos... e tempos e...